A importância do Professor Fernando Figueira para a Nutrição
30 de abril

A importância do Professor Fernando Figueira para a Nutrição

Geral

A Ciência da Nutrição no Nordeste do Brasil e a necessidade eminente da formação de especialistas em Nutrição Humana da antiga Faculdade de Medicina da então Universidade do Recife/UR, atual Universidade Federal de Pernambuco/UFPE foi uma grande preocupação para seu fundador pioneiro visionário, o Professor Nelson Chaves (1906-1982), bem como do apoio incondicional do Professor Fernando Figueira (1919-2003) na Criação do novo prédio do Curso de Nutricionista da atual UFPE em 1962, dando todo apoio necessário quando convidado para instalar um serviço de nutrição para crianças, ligado à cadeira de Pediatria coordenada por ele, durante o reitorado do Prof. João Alfredo na Universidade do Recife (1959-1964), no governo estadual de Cid Feijó Sampaio (1910-2010), em 1963, Miguel Arraes de Alencar (1916-2005) assume o governo, deposto e preso ano seguinte.

Já que na época a desnutrição infantil, e a nutrição da gestante eram uma grande preocupação, sendo assim uniu a parte das pesquisas experimentais aos protocolos humanos, com o objetivo de esclarecer e indicar soluções, justificando assim a construção do novo prédio, antes somente parte do prédio biotério geral da universidade, já se desenvolviam pesquisas com associações proteicas nas dietas experimentais, como o uso da farinha da castanha de caju e da semente do algodão, feijão macáçar (do inglês: Macassar), milho, bem como uma espécie de levedura chamada torula, entre outros, completadas com proteínas de origem animal, dentro de um rigoroso padrão de qualidade e higiene para posterior formulação de preparações para uso em populações humana.

O Curso de Nutricionista do Instituto de Fisiologia e Nutrição da UR, atual Curso de Graduação em Nutrição da UFPE foi inaugurado em 01 de agosto de 1957 e em 12 de dezembro de 1959 colou grau a primeira turma de concluintes, tendo como Paraninfo o próprio Prof. Nelson Chaves, a diplomação da primeira turma de concluintes de Nutrição levou o escritor, político e professor de Higiene da atual UFPE Orlando da Cunha Parahym (1911-1999) a requerer ao plenário da Assembleia Legislativa de Estado de Pernambuco/ALEPE, um voto de congratulações com o Curso de Nutricionistas da Faculdade de Medicina da Universidade do Recife, atual UFPE, aprovado e consignado na ata dos seus trabalhos em 14 de dezembro de 1959, ou seja, 60 anos da primeiro turma, onde atualmente se encontra em nota máxima de avaliação, ligado ao Centro de Ciências da Saúde/CCS da UFPE, ou seja, atingindo assim um nível de excelência e total consolidação em comparação com um casamento civil, a chamada “Bodas de Diamante”.

Professor Carlos Augusto, autor do artigo

História com H maiúsculo, e nossa simples homenagem a essas figuras ilustres visionárias, bem como todos os envolvidos, presentes e ausentes, porém cada com sua importância e tempo certo para ser referenciado, daí a importância de se fortalecer a História da Nutrição e Alimentação como por exemplo a criação de uma nova disciplina com a temática, como existe a História da Medicina à nível de graduação e pós-graduação, as duas áreas se entrelaçam. O Professor Fernando Figueira, o “O homem que Arrastou Rochedos” deixa seu legado e colaboração com a Nutrição, bem como seu filho Antonio Carlos Figueira (Assessor Especial do Governo atual de Pernambuco), meu amigo, o qual continua “segurando a bandeira” e defendendo os ideais coletivos para o bem comum da nossa população. Hoje repentinamente voltou a ser criado às pressas o recente Centro de Ciências Médicas da UFPE, num momento de transição global miraculoso, e totalmente depende de nós mesmos, o atual e contínuo Centro de Ciências da Saúde da UFPE foi fruto de muito trabalho e idealizações dos nossos antecessores, não só pensando em momentos e situações, evitando elitismo, mais sobretudo da nossa civilização num sentido construtivo fraternal para a paz entre os seres vivos e nossa perpetuação como espécie.

Como bem disse o cientista, historiador, escritor, médico e filósofo espanhol Gregorio Marañón y Posadillo (1887-1960): “Pensar no assombro de Leonardo da Vinci se ressuscitasse hoje e visse que o sorriso de sua Gioconda continua influindo mais o espírito dos homens do que as máquinas com que ele sonhava inocentemente”. A Educação brasileira é uma área muito importante, porém com objetivos simples no contexto da aprendizagem, como ensinar, educar, mostrar, e é uma das prioridades do governo atual, vivemos agora num tempo de esperança, moralidade, transparência e renovações, acredito num futuro melhor para nossa gente e a família, temos que acreditar, é sem voltas, em breve vai ser escolhido ou indicado nosso futuro representante maior na Reitoria da UFPE, e o mesmo deve possuir elevado senso de justiça, imparcialidade e carregar em sua pele o inestimável peso da responsabilidade do seu lema: Virtus impavida (Virtude impávida) “Virtudes para a vida”, torcemos que seja escolhido o melhor.

Encerro o artigo de opinião parafraseando nosso saudoso Imperador Dom Pedro I, …“Já raiou a liberdade no horizonte do Brasil”. Muito sonhos a serem realizados ainda, a vida aqui é breve, o espírito imortal, faz parte dos mistérios da vida e do Criador. Muito obrigado!

Professor Dr. Carlos Augusto Carvalho de Vasconcelos, PhD, neurocientista e professor da UFPE
Ex-professor da Universidade UVA